Foz Dourada da Minha Cidade

Paro o carro, desligo o motor e o rádio. Encosto a minha cabeça no banco e, completamente relaxada, deixo-me fechar os olhos e ouvir o bater das ondas ali tão perto. Acabo mais tarde por os abrir lentamente, numa daquelas perguiças boas e, vejo a espuma derreter ao chegar à areia. Quero sentir o cheiro da maresia, inspira-lo até à alma. Então tiro a chave da ignição, abro a porta. Os meus óculos ajudam-me a definir bem o sol que calca suavemente a linha do horizonte. Aquele momento é meu, acabo de chegar à minha foz, à Foz do Douro.

Junto da areia começo por descalçar-me e sinto na planta dos pés a sensação quente do dia que daqui a nada se esvazia. Num sopro de liberdade sinto o assobio do vento que me chama como uma criança que faz "cu-cu" atrás de uma rocha. Sem muitas merdas alápo-me mesmo perto da rebentação, subo as calças até à famosa posição de "regar o milho" e vou coleccionando umas conchitas. Não sei se será do nervosismo para obter respostas, mas ter algo nas mãos alivia-me. Levanto a cabeça. Estou nas nuvens.

O meu coração pode estar triste, pode estar alegre mas, naquele momento o meu mundo pára. Deixo de lado a minha racionalidade e sonho. Sinto-me bem. Há uma beleza na ondulação, uma dança misteriosa que me fascina. Há uma cor que torna cativa, hipnotizada. Há um reflexo luminoso que me obriga a ter certeza que "o sol quando brilha é para todos". Mas acima de tudo há um segredo que me acalma a alma, me suaviza as dores, me equilibra a balança, me arranca as lágrimas, me dá sorrisos.

Nem sempre vou lá mas quando vou sinto-me como se estivesse na melhor poltrona do melhor psiquiatra da cidade, quiçá da Europa e talvez do Mundo.

Foz dourada da minha cidade

Fico tão ansiosa por te ver

Porque se me dás esta felicidade

É ai que eu irei sempre ter

1 Response
  1. ana Says:

    a minha foz e q e a verdadeira!
    a fantastica a incomparvel....figuira da foz!
    ahaha